Terminou em São Paulo a Assembléia Nacional da Pastoral Familiar.

Encerrou-se neste domingo, 22 de março, a Assembléia Nacional Extraordinária da Pastoral Familiar. Os agentes dos 17 Regionais da CNBB já regressaram aos seus estados, permanecendo em São Paulo apenas o casal coordenador, Tico e Vera e o assessor nacional, pe. Bento, para uma reunião sobre a Peregrinação Nacional em Favor da Família, nesta próxima segunda-feira.

No domingo, pela manhã, dom Antonio Augusto, bispo auxiliar do Rio de Janeiro, fez uma reflexão sobre o risco do materialismo e da corrupção política sobre as palavras que o Santo Padre Bento XVI dirigiu ao novo embaixador Brasileiro no Vaticano.

\"Pe.

Após a palestra, houve mais uma breve reflexão de dom Petrini a respeito das meninas grávidas, explicando um texto sobre o assunto, que revela a condição de fragilidade das crianças maltratadas dentro de casa. Depois, os trabalhos foram sendo finalizados com a leitura do resultado dos trabalhos em grupo desenvolvidos no dia anterior e outras providências tomadas quanto ao calendário 2010.

Foi fixado que o próximo encontro nacional das coordenações erá realizado em Belo Horizonte, nos dias 13 a 15 de novembro.

Pré-Matrimônio foi o assunto da Assembléia da Pastoral Familiar.

O segundo dia da Assembléia Extraordinária da Pastoral Familiar foi marcado pela apresentação dos valores da família e pela discussão dos trabalhos do Setor Pré-Matrimônio, com ênfase na preparação ao Sacramento do Matrimônio.

\"Foto

Após a missa de abertura dos trabalhos, celebrada por dom Petrini, bispo auxiliar de Salvador, o dia seguiu com uma reflexão do próprio prelado sobre a \”família e a sociedade\”, onde ele destacou que a família não é uma invenção humana, e por isso não pode ser alterada ou reconstituída ao bel prazer da sociedade.  Ele afirmou que a família é criação de Deus e, por isso, é o lugar da vida e do desenvolvimento do ser humano até a sua maturidade.

As conclusões da reflexão de Dom Petrini, que é sociólogo, indicam que deveria haver um esforço da sociedade e dos governos para identificar qual forma familiar melhor atende as necessidades sociais, mas lembra que somente família contém todos os recursos ideais para atender a essa demanda. Concluiu que os poderes governamentais não devem desqualificar e descaracterizar a família tradicionalmente constituída, sob o prejuízo de desvalorizá-la. Falou que é preciso promover uma sociedade amiga da família, onde as forças possam agir em seu favor, através da Pastoral Familiar e outras associações. Indicou que a família precisa ter para como um direito a habitação, a defesa de uma política de emprego mais justa, a constituição de meios de comunicações ordenados pela verdade e pelos valores morais, um sistema educacional adequado, mais empresa amigas, entre outras coisas. E, por fim, ele defendeu que é necessário multiplicar as associações familiares capazes de dialogar com a sociedade e com os poderes públicos, sendo um instrumento social com a expressão da religiosidade na vida.

Após esta reflexão, iniciaram-se os trabalhos sobre o Pré-matrimônio. Conduzido pelo casal coordenador da Comissão Nacional da Pastoral Familiar, Tico e Vera, a primeira parte trouxe três apresentações de trabalhos práticos realizados pelos Regionais Centro-Oeste, representados pelo casal Léo e Dóris, Leste 2, apresentado pelo casal Paulo e Ceci, e Nordeste 2, representados pelo casal Márcia e Henrique. Após as apresentações, realizou-se a segunda parte do trabalho, constituído por um trabalho em grupos.

À tarde, o presidente da associação AiBi – Amici dei Bambini, da Itália, apresentou esta organização não governamental com toda a sua espiritualidade, que pretende dar uma família a quem não tem. \”A pedra descartada\” é o objetivo dos que se associam a esta ONG, que acolhe os que não têm pai nem mãe.

No final da tarde, os representantes dos Regionais realizaram diversos debates sobre assuntos práticos da Comissão Nacional e da Secretaria Nacional da Pastoral Familiar (SECREN), entre eles a questão do curso à distância do INAPAF e dos subsídios, como a Hora da Família.

À noite, após a pausa do jantar, os participantes do evento assistiram o filme Licença para Casar, onde um reverendo cria uma forma, no mínimo, interessante de preparar os casais para o casamento.

O dia foi encerrado com uma oração preparada pela equipe de apoio e todos recolheram-se, com a previsão de retomada da pauta no domingo, às 7h00.

Assembléia Extraordinária da Pastoral Familiar acontece em São Paulo

Está sendo realizada, em São Paulo, na diocese de Osasco, a Assembléia Extraordinária da Pastoral Familiar do Brasil. Estão reunidos na Casa de Oração da Cidade Regina, da Congregação das Filhas de São Paulo (Paulinas), localizada na altura do Km 19 da Rodovia Raposo Tavares, os representantes da pastoral dos 17 Regionais da CNBB.

\"assembleia_1\"

Os trabalhos foram abertos com a Celebração Eucarística, presidida por dom Orlando Brandes, arcebispo de Londrina e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família. Estão presentes também os dois conselheiros do organismo, dom Antônio Augusto, bispo auxiliar do Rio de Janeiro, e dom João Carlos Petrini, bispo auxiliar de Salvador. Dom João Bosco, bispo de União da Vitória (PR) e referencial do Regional Sul-2, e dom Paulo Mascarenhas, bispo emérito de Mogi das Cruzes (SP) e referencial do Regional Sul-1, também estiveram presentes ao evento, que tem grande importância para a caminhada pastoral com as famílias.

Após o jantar, pe. Bento, assessor nacional da Pastoral Familiar, explicou os motivos para a convocação dessa assembléia extraordinária, ressaltando a possibilidade da tomada de decisões que a assembléia possibilita e a abertura à participação dos movimentos, serviços, associações e entidades ligadas ao trabalho com as famílias.

Ainda na sexta-feira, à noite, dom Orlando Brandes fez uma exposição a respeito da Espiritualidade Conjugal e Familiar que impressionou a todos os presentes. Firme, veemente e motivador, dom Orlando apresentou o projeto de Deus para as famílias citando \”o princípio\”, que liga o Gênesis à história salvífica que passa pelo matrimônio; depois, citou o \”casamento no Senhor\”, apresentando Paulo Apóstolo, o primeiro teólogo da Igreja, que indicou com essa expressão a saída para que os casais deixem para trás toda sorte de mundanices para encontrar neste \”Senhor\” o verdadeiro caminho matrimonial. Apresentou, também, vários tópicos do desenvolvimento familiar ligado a Cristo, desde o sacerdócio santo da sexualidade, passando pela educação dos filhos até encontrar a possibilidade material da partida de um dos cônjuges, final da caminhada conjugal. Dom Orlando amparou cada ponto no capítulo 2 do Gênesis, de onde afirmou ser preciso, pelo menos, uma semana para extrair e refletir todo o seu conteúdo.

Após a oração da noite, todos os participantes recolheram-se a seus quartos, para um merecido descanso, pois muitos iniciaram sua jornada até São Paulo de madrugada, logo após a 0 hora da sexta-feira.

O sábado terá uma programação intensa e extensa, e o despertar está previsto para as 7h00.