A 34ª Assembléia Nacional da Pastoral Familiar encerrou-se neste domingo

[print_link] [email_link]

O sábado da 34ª Assembléia Nacional

\"Missa

O dia foi iniciado com a celebração da Santa Missa presidida por dom Philip Dickmans, bispo atualmente nomeado como administrando da arquidiocese de Palmas (TO), e concelebrada por dom Petrini, dom Joaquim e dom Antonio Augusto; concelebraram também o pe. Luiz Bento, pe. Jonilson, pe. Edilson e pe. Marcelo.

Pe. Bento, assessor nacional da Pastoral Familiar, abriu os trabalhos da assembléia após o café da manhã. Leu as mensagens de Célia e Wanderley, cuja ausência, mais que justificada, foi comentada e pediu a oração de todos para o casal. Leu também a mensagem de dom Severino Clasen, bispo de Araçuaí (MG), e referencial da Pastoral Familiar do Regional Leste-2, que exprimiu suas preocupações com os jovens casais, com os casais já constituídos na caminhada e a preocupação com os Casos Especiais. O bispo enviou sua saudou a todos e justificou sua ausência.

O 3º PNDH

O primeiro trabalho do dia foi conhecer um pouco mais sobre o 3º Projeto Nacional dos Direitos Humanos (PNDH). Para tanto foram convidados o deputado Luiz Bassuma (PV-BA) e a doutora Elizabeth Kipmann, de Jacareí (SP).

O primeiro a falar foi o deputado que saudou os participantes da assembléia e fez uma breve reflexão sobre o Dia Internacional do Meio Ambiente, comemorado naquele dia. A palavra do deputado foi brevemente interrompida pela chegada do Cardeal Arcebispo de São Salvador, dom Geraldo Majjela Agnelo, que em breves palavras falou do desejo de Deus para o homem e a mulher, do sentido de ser família, e de como a presença salvífica de Jesus Ressuscitado é revelada todos os dias à Igreja e às famílias. Destacou o trecho do Evangelho de … “se alguém quiser meu discípulo, tome sua cruz e me siga”, destacando que é assim que se vive plenamente a vida cristã, no seguimento de Jesus. Disse o cardeal que pede a Deus que dê forças às famílias para que sejam um apelo de amor para o mundo, da mesma forma como a Trindade é para a Igreja. Pediu a Deus as bênçãos para todas as famílias e despediu-se da assembléia.

Continuando sua palestra, o deputado falou sobre sua preocupação a respeito da família e de diversos aspectos da adoção e da defesa da vida, propriamente sobre o aborto.

A seguir, o 3º Plano Nacional de Direitos Humanos foi apresentado e comentado pela Dra. Elizabeth Kipmann, parte por parte. Ela dissecou e mostrou os diversos pontos ocultos sobre os quais devemos ter uma grande atenção na ação pastoral e na nossa vida como cidadãos cristãos.

Depois da apresentação dos dois palestrantes, foi aberto um tempo para a realização de perguntas por parte dos presentes. Após essa seção de perguntas, os participantes foram para o almoço.

Experiências práticas da Pastoral Familiar

Após o almoço, foi rezada a Via-sacra e depois dela a palavra foi passada a dom Ceslau, bispo responsável pelo Regional, que deu sua mensagem a todos os presentes na Assembléia, falando sobre a família e sobre as ameaças à essa instituição.

Ainda na parte da tarde foi feita a apresentação do CAM – Centro de Atendimento à Mulher, entidade ligada ao Pró-vida Família (Brasília – DF) que mostrou a todos uma grande iniciativa no sentido de salvar crianças do aborto. O número de vidas salvas pelo CAM, desde mai/2009, é de 109. A entidade pediu a ajuda e a colaboração dos Regionais da CNBB, principalmente na questão de ter um contato para agilizar o atendimento local, pois a entidade recebe, através do 0800 e da Internet, uma grande quantidade de pedidos de outros estados do Brasil.

Depois do CAM, foi apresentado um resumo do 1º Encontro Nacional da Espiritualidade do Acolhimento e da Adoção, acontecido em São Paulo no mês de abr/2010. Quem apresentou esse trabalho foi o Carlos Berlini, diretor da entidade Amici dei Bambini (AiBi), que faz esse trabalho em São Paulo.

A seguir houve um café e depois os participantes voltaram para a discussão do XIII Congresso Nacional da Pastoral Familiar. Definiram-se diversas coisas a respeito do evento e ficou para que a equipe se reunisse com dom Joaquim para fecharem o objetivo do Congresso.

A seguir apresentou-se o INAPAF. O casal Ângela e Guenka retomou o projeto que havia sido apresentado no 7º Encontro Nacional da Pastoral Familiar em Vila Velha. Apresentaram novamente toda a proposta e, depois uma sugestão de dom Ceslau, pe. Bento colocou em votação a proposta que é a de ter na estrutura de cada Regional um representante do INAPAF. A votação decidiu por unanimidade pela instituição desse representante, que não precisa ser, necessariamente, um casal.

Os trabalhos foram encerrados com a oração feita por pe. Bento e os participantes foram convidados a um jantar seguido de uma confraternização.

O Domingo da 34ª Assembléia

No domingo, o dia recomeçou às 7h30, novamente com a celebração da Santa Missa, seguida pelo desjejum para o s participantes do evento.

Após o café da manhã, seguiu-se a Assembléia, foram passados diversos informes pela Comissão Nacional. Entre elas foram fixadas as datas para o ano de 2011, sendo definido que, devido à realização do Congresso Nacional da Pastoral Familiar, em Belo Horizonte, foi cancelado o 9º Encontro que seria realizado em novembro de 2011.

Foram acertados outros assuntos de ordem prática e administrativa, com votação dos coordenadores dos Regionais ou de seus representantes.

Por fim, dom Petrini fez um desfecho comentando alguns pontos importantes daquilo que ele sentiu durante o evento. Destacou, sobretudo a postura dos agentes de Pastoral Familiar em seus Regionais e o sentido positivo da ação pastoral nas bases, enfatizando mais os aspectos positivos que os negativos. E que mesmo tendo uma luta contra ameaças tão devastadoras à família, a Pastoral Familiar tem que assumir a sua postura Cristã fazendo as vitórias pelo que temos de oferecer de bom e não pelo ressaltar das características negativas dos que nada tem de bom a oferecer.

Foi feita a oração do Ângelus pelo próprio dom Petrini, que deu a bênção final e despediu-se encerrando os trabalhos.

Os agentes foram convidados para o almoço, após o qual cada qual foi encaminhado para o retorno aos seus Regionais.

A grande novidade na cobertura desse evento da Pastoral Familiar foi a possibilidade do acompanhamento on-line dos temas em pauta através do Twitter, através de www.twitter.com/pfsul1.

3 pensamentos sobre “A 34ª Assembléia Nacional da Pastoral Familiar encerrou-se neste domingo

  • 6 de junho de 2010 em 23:02
    Permalink

    Que Deus abençõe a cada membro que particpou dessa 34ª Ass. Nacional da Pastoral Familiar, e que temos certeza que desse encontro sairá novas orientações para a continuidade dos trabalhos pastorais aos casais de 2ª união, na esperança de que o acolhimento para que participem em unidade com toda a Igreja buscando o verdadeiro esclarecimento da verdade escondida no evangelho de Cristo que nos coloca unidos, para uma caminhada em busca da missão no reino de Deus, que é servir a todos.

    Responder
  • 9 de junho de 2010 em 17:29
    Permalink

    Por esta e outras é que saudamos o advento da internet…. participamos à distância também com orações….. abraços a todos nossos amigos da Pastoral Familiar deste imenso Brasil e pedimos bênçãos a Deus pela dedicação de todos os coordenadores e assessores das comissões regionais, bem como da coordenação nacional.

    Responder
  • 22 de junho de 2010 em 16:09
    Permalink

    Paz e bem a todos os agentes de pastoral no brasil, meu comentário é somar a que Dom petrini disse, temos que correr para a vitória, assumir este compromisso, como cristão.
    Não apenas ressaltar os aspectos negativos, mais assumir o compromisso de formação nas bases regionais, e ir para o abraço!

    Marcio e Vanda

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *