Realizado o XIX Congresso da Pastoral Familiar do Regional Sul 1

Realizado o XIX Congresso da Pastoral Familiar do Regional Sul 1

Sight_2016_07_10_110948_414

Aconteceu no Colégio Marista de Ribeirão Preto, nos dias 8, 9 e 10 de julho de 2016, a 19ª edição do congresso da Pastoral Familiar do Regional Sul 1, com o tema “O amor é nossa missão: a família plenamente viva” e o lema “Misericordiosos como o Pai”. Mais de 250 participantes, entre bispos, padres, religiosas e leigos estiveram presentes no encontro.

Foram seis conferências que abordaram temas atuais sobre o Magistério da Igreja, cultura e comportamento. Na sexta-feira à noite, dom João Bosco Barbosa de Souza, bispo da Diocese de Osasco e Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família (CEPVF), discorreu sobre o tema “A vocação e a missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo”, que foi o tema da assembleia ordinária do Sínodo dos Bispos, realizada em 2015. O bispo apresentou as referências históricas e documentais que resultaram na composição da exortação apostólica pós-sinodal lançada em 19 de março e publicada em 8 de abril de 2016, Amoris Laetitia.

No sábado, o cardeal arcebispo de São Paulo, dom Odilo Pedro Scherer falou propriamente sobre a exortação, indicando diversos pontos de ação pastoral e o quanto o documento, que nada tem de novidade, aponta para um cuidado de pastor com os que já estão inseridos na Igreja e sobre como é importante acompanhar, discernir e integrar a fragilidade, como afirma Papa Francisco. Dom Odilo ainda apontou algumas situações onde essa caridade pastoral pode ajudar as pessoas a fazer a experiência do encontro com Cristo.

Ainda na manhã do sábado, monsenhor Moacir Silva Arantes, assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB, e recém nomeado bispo auxiliar para a Arquidiocese de Goiânia, apresentou o tema “Por uma Pastoral Familiar em saída, alinhada com a Misericórdia do Pai”. Ali ele apresentou os diversos aspectos do trabalho que atualmente a Pastoral realiza e que novas atividades ou atitudes deverão ser tomadas para que efetivamente os serviços pastorais para as famílias atinjam seu objetivo.

Após o almoço, duas conferências trataram sobre cultura e comportamento. O casal André Kawahala e Rita Massarico Kawahala, agentes de formação do NUFESP – Núcleo de Formação e Afetividade da Pastoral Familiar do Regional, abordaram o tema “A família e as novas mídias”, onde apresentaram um panorama sobre a tecnologia, a Internet e as Redes Sociais e quais seus impactos sobre a cultura familiar e o comportamento pessoal dos membros de uma casa. Falaram sobre as luzes e sombras que hoje incidem sobre cada família e que atitudes os pais devem tomar para bem aproveitar os avanços tecnológicos e virtuais, sem se perderem no meio do turbilhão desse novo ambiente de comunicação. Já o casal Thiago Simpliano da Silva e Ana Paula do Couto Simpliano falaram sobre um tema que sempre assombra os lares: “Família, dependência química, causas e encaminhamentos”. Thiago apresentou os diversos tipos de drogas, falou sobre as reações e também sobre como identificar se um membro da família está fazendo o uso de drogas. Falou sobre as reações, mas frisou que cada caso é diferente. Falou sobre sua experiência com o vício, pois ele mesmo é um dependente químico em tratamento, e sobre o trabalho que desenvolve no Instituto pe. Haroldo, em Campinas. Ana Paula deu seu testemunho de caminhada junto com Thiago.

No domingo, a última conferência, realizada por pe. Paulo Afonso Alves Sobrinho, sacerdote da Diocese de Guarulhos e professor da Faculdade de Direito Canônico São Paulo Apóstolo, abordou o Motu Próprio  Mitis Iudex Dominus Iesus, que fez alterações nos cânones referentes ao Tribunal Eclesiástico e deu novas determinações para o atendimento dos processos de pedido de declaração de nulidade do Sacramento do Matrimônio. O sacerdote descreveu os passos de um processo como um todo e foi apontando as diferenças que o documento trouxe para esse trabalho.

A coordenação da Pastoral Familiar, antes do encerramento dos trabalhos anunciou que a sub-região Ribeirão Preto 2 (RP2) acolherá o XX Congresso da Pastoral Familiar. A equipe que organizou o evento em Ribeirão Preto entregou a imagem peregrina da Sagrada Família aos representantes do RP2, que a levarão consigo até 2018, quando será realizado o evento. Em 2017 não haverá Congresso no Regional devido à realização do XV Congresso Nacional que será realizado em Cuiabá (MT).

O encontro foi encerrado com a celebração da missa presidida por dom Paulo Roberto Beloto, bispo da Diocese de Franca e concelebrada por dom Emílio Pignoli, bispo emérito da Diocese de Campo Limpo e referencial da Pastoral Familiar do Regional Sul 1; por dom Moacir Silva, arcebispo de Ribeirão Preto e os demais padres presentes.

 

ABAIXO LINK PARA OS DOCUMENTOS E APRESENTAÇÕES


Slides do Congresso
Apresentação da abertura do Congresso
146 descargas

 


Família e Novas Mídias
Apresentação da palestra realizada no XIX Congresso da Pastoral Familiar do Regional Sul 1, em 09/jul/2016, em Ribeirão Preto - Colégio Marista
113 descargas


Por uma Pastoral Familiar em saída, alinhada com a misericórdia do Pai
Palestra de Mons. Moacir Silva Arantes, assessor da CEPVF/CNPF e bispo auxiliar da Arquidiocese de Goiânia
141 descargas


Palestra de Dom João Bosco
Palestra proferida por dom João Bosco Barbosa de Souza no XIX Congresso da Pastoral Familiar do Regional Sul-1
105 descargas

 

Programação do XIX Congresso da Pastoral Familiar do Regional Sul-1

Programação do XIX Congresso da Pastoral Familiar do Regional Sul-1

cartazAcontecerá nos dias 8, 9 e 10/jul/2016, em Ribeirão Preto, o XIX Congresso da Pastoral Familiar do Regional Sul-1.

Abaixo a programação do evento.

 

PROGRAMAÇÃO GERAL

08/jul – Sexta-feira

18h30 – Recepção dos Congressistas

– Acolhida

– 8 Sub-Regionais

– Crachás

– Bolsas (Livreto, bloco, caneta)

– Garrafa d’Água

20h00 – Solene Abertura do XIX CONGRESSO REGIONAL SUL I – CNBB – Sub Região – RP1

Abertura: Dom Moacir Silva – Arcebispo de Ribeirão Preto

20h45 – Conferência de Abertura: “A vocação e a Missão da Família na Igreja e no Mundo Contemporâneo”

Conferencista: Dom João Bosco Barbosa de Souza– Presidente da Comissão Episcopal para a Vida e Família – CNBB

22h00 – Oração da Noite

09/jul – Sábado – Dia de Santa Paulina

07h00 – Celebração Eucarística – D. Eduardo Pinheiro da Silva, ODB – Bispo de Jaboticabal

08h00 – Café

09h00 – II Conferência: “Exortação Apostólica “Amoris Laetitia” – a alegria do amor na família – Perspectivas para uma nova Pastoral Familiar”

Conferencista: Cardeal Odilo Pedro Sherer – Arcebispo de São Paulo

10h00 – Café

10h30 – III Conferência: “Por uma Pastoral Familiar em saída, alinhada com a Misericórdia do Pai”

Conferencista: Monsenhor Moacir Silva Arantes – Assessor da Comissão Episcopal para a Vida e Família – CNBB e Bispo auxiliar Goiânia

11h45 – Oração do Ângelus

12h00 – Almoço

13h30 – Retorno

14h00 – IV Conferência: A família e as novas Mídias

Conferencista: André Luís Kawahala e Rita Massarico Kawahala – Diocese de Osasco

15h30 – Café

16h00 – VI Conferência: Família, dependência química, causas e encaminhamentos

Conferencistas: Thiago César Simpliano da Silva e Ana Paula do Couto Simpliano – Arquidiocese de Campinas

17h30 – Momento de Oração Mariana e Despedida

10/jul – Domingo

07h00 – Oração da Manhã

08h30 – VII Conferência: Motu próprio da Papa Francisco – Mitis Iudex Dominus Iesus

Conferencista: Padre Paulo Afonso Alves Sobrinho – Padre na Diocese de Guarulhos

09h30 – Intervalo – Café (comes e bebes)

10h00 – Conclusões do Congresso Regional Sul 1

– Casal Coordenador do Regional – Osmarina e Toninho

– D.Emílio Pingoli – Assessor Eclesiástico no Regional Sul 1

– D.Paulo Roberto Beloto – Bispo de Franca

– Bispos presentes

– Padre Pedro

– Padre Moacir

– Padre Robson

11h00 – Celebração Eucarística – D.Paulo Roberto Beloto – Bispo de Franca (Presidente de nosso RP1)

Agradecimentos e Envio

12h00 – Almoço e Despedida

CNBB lança série de vídeos sobre a Amoris Laetitia

CNBB lança série de vídeos sobre a Amoris Laetitia

al1

al2Está disponível no YouTube uma série com 35 vídeos falando sobre a Exortação Apostólica Pós-sinodal Amoris Laetitia, do Papa Francisco.al3

A série apresentada por dom João Bosco Barbosa, bispo da Diocese de Osasco e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB, e por dom Francisco Carlos Bach, canonista e secretário do regional Sul 2, traz em vídeos curtos diversos aspectos sobre o documento que trata essencialmente do serviço pastoral que a Igreja deve oferecer às famílias, estejam elas em que situação estiverem.

Segundo a CNBB, “O material é resultado do encontro com membros da Pastoral Familiar paranaense e padres coordenadores da Ação Evangelizadora, ocorrido em março, em Curitiba. Na ocasião, constatou-se a necessidade de traduzir em formato digital o conteúdo central da Amoris Laetitia.”

O material é ótimo e deve ajudar os agentes de Pastoral Familiar e outros interessados na leitura do documento.

Acesse:

 

Fonte: CNBB

Assembleia Nacional da Pastoral Familiar abordará a “Amoris Laetitia”

Assembleia Nacional da Pastoral Familiar abordará a “Amoris Laetitia”

WhatsApp-Image-20160625

Acontece neste final de semana, 24 e 25/jun/2016, a 40ª Assembleia Ordinária da Pastoral Familiar, em Brasília (DF), com participação da presidência e assessoria nacional da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família (CEPVF) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Na abertura da Assembleia, uma equipe de Cuiabá (MT) explicará os andamentos da organização do XV Congresso Nacional da Pastoral Familiar, que ocorrerá, no estado, no período de 8 a 10 de setembro de 2017. Haverá, ainda, balanço anual e demostrativos financeiros da Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF), com presença do administrador da Secren, Daniel S. Nonato e Silva.

No sábado, 25, o bispo de Camaçari (BA), dom João Carlos Petrini, fará exposição do tema central, com reflexão sobre a Exortação Apostólica “Amoris Laetitia”, do papa Francisco.

O assessor nacional e bispo eleito para a arquidiocese de Goiânia (GO), dom Moacir Arantes, explica que esta Assembleia será para definição do calendário de atividades dos próximos três anos, apresentação dos novos casais coordenadores regionais, além de reestruturação do Núcleo Pedagógico do INAPAF (Instituto Nacional da Família e da Pastoral Familiar).
Os participantes irão sugerir, ainda, recordar os pontos principais do Plano de Ação das atividades da Pastoral Familiar no Brasil.

“Desejo que seja momento de partilha e crescimento na unidade, entre os membros de nossa pastoral. Ficarei feliz se conseguirmos planejar nossas atividades para os próximos anos”, comenta dom Moacir.

WhatsApp-Image-20160625 (1)A Assembleia contará com a presença dos casais coordenadores regionais da Pastoral Familiar, padres assessores, bispos referenciais, representantes de movimentos, organismos e institutos de família e, membros da coordenação da Comissão Nacional, sendo o casal coordenador Roque e Verônica, do regional Oeste 2, e Marivone e Volnei, do regional Sul 4, vice-coordenadores.

Planejamento e ação
O bispo de Osasco (SP) e presidente da Comissão para a Vida e a Família, dom João Bosco Barbosa de Sousa, recorda que a Assembleia é momento oportuno para avaliar a caminhada da Pastoral Familiar na Igreja no Brasil, a partir das reflexões e motivações da Exortação Apostólica “Amoris Laetitia”.

“Para todos nós, pastores, casais, cristãos atuantes ou afastados, o papa tem, nesta palavra de Pai e Pastor de toda a Igreja, um ensinamento sólido, que vale a pena ser conhecido sem pressa, página por página, que vem trazer aos corações a alegria plena que Cristo entregou aos seus primeiros discípulos e a nós. A partir deste texto, queremos refletir sobre os grandes desafios que a família tem vivido. Continuamos a trocar experiências, em vista de organizar melhor a articulação da Pastoral Familiar nos regionais, dioceses e paróquias”, disse dom João Bosco.

A programação da Assembleia Nacional inclui, também, a avaliação dos trabalhos desenvolvidos em 2015, Semana Nacional da Família e Semana Nacional da Vida, prestação de contas da Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF), apresentação dos trabalhos dos regionais, entre outras atividades.

Encontro da Pastoral Familiar do Cone Sul no Chile

Encontro da Pastoral Familiar do Cone Sul no Chile

fotoportada565f4b4852ffd_02122015_1249pmDesde segunda-feira, 30/nov/2015, estiveram reunidos na casa de retiros São Francisco de Sales, em Santiago do Chile, 25 agentes que participam das Comissões Nacionais da Pastoral Familiar da Argentina, Brasil, Paraguai e Chile.

O encontro, convocado pelo Departamento de Família, Vida e Juventude da CELAM, é acompanhado por Mons. Alberto Bochatey osa., e pelo pe. Antonio José Velázquez e quer socializar os resultados conclusivos do I Congresso Latinoamericano de Agentes da Pastoral Familiar, realizado no Panamá, em agosto de 2014, e busca contribuir com algumas propostas de linhas de ação pastoral que deem suporte à evangelização das famílias e à gestação de algumas orientações Latinoamericanas de Pastoral Familiar.

Em um agradável ambiente de fraternidade e eclesialidade, os agentes estiveram compartilhando a beleza de suas vidas e o caminhar da Pastoral Familiar em cada um dos países. Também tiveram um tempo de trabalho por delegações para refletir e responder à consulta sobre a aplicação que acontece nos países do Cone Sul das orientações sobre família que foram propostas no Documento de Aparecida.

As celebrações eucarísticas e os momentos de oração foram uma instância de encontro profundo com o Senhor e entre os irmãos, filhos do mesmo Pai.

Fonte: CELAM.org

Homilia do Santo Padre na vigília de 03/out

Homilia do Santo Padre na vigília de 03/out

Papa Francisco Vaticano Noite

O Papa Francisco, na vigília que antecedeu a abertura dos trabalhos da XIV Assembleia Ordinária do Sínodo dos Bispos, dia 03/out/2015, dirigiu-se aos fiéis reunidos na Praça de São Pedro.

 

Queridas famílias, boa noite!

Que bom acender uma pequena candeia na escuridão que nos rodeia? Bem mais seria necessário para dissipar a obscuridade. Mas podem-se vencer as trevas?

Há certas fases da vida (uma vida que, apesar de tudo, está cheia de recursos maravilhosos) em que estas questões se impõem com toda a sua força. À vista das exigências da vida, sente-se a tentação de voltar atrás, desertar e fechar-se, até mesmo em nome da prudência e do realismo, escapando assim da responsabilidade de fazer cabalmente a própria parte.

Recordais a experiência de Elias? O cálculo humano leva o profeta a encher-se de medo, e este impele-o a refugiar-se. «Elias teve medo e saiu dali para salvar a sua vida. (…) Andou quarenta dias e quarenta noites até chegar ao Horeb, o monte de Deus. Tendo chegado ao Horeb, Elias passou a noite numa caverna, onde lhe foi dirigida a palavra do Senhor: “Que fazes aí, Elias?”» (1 Re 19, 3.8-9). Depois, no Horeb, encontrará a resposta, não no vento impetuoso que fendia as rochas, nem no terremoto, nem sequer no fogo. A graça de Deus não ergue a voz; é um murmúrio, de que se apercebem todos aqueles que estão prontos a ouvir a sua brisa suave: exorta-os a sair, a voltar para o mundo, testemunhas do amor de Deus pelo homem, para que o mundo creia…

Com este fôlego, precisamente há um ano nesta mesma Praça, invocamos o Espírito Santo, pedindo que os Padres sinodais – ao debruçar-se sobre a família – soubessem escutar e dialogar tendo os olhos fixos em Jesus, Palavra definitiva do Pai e critério de interpretação de tudo.

Nesta noite, não pode ser diferente a nossa oração. Porque, como recordava o Metropolita Ignazio IV Hazim, sem o Espírito Santo, Deus fica longe, Cristo permanece no passado, a Igreja torna-se uma simples organização, a autoridade transforma-se em domínio, a missão em propaganda, o culto em evocação, o agir dos cristãos numa moral de escravos (cf. Discurso à Conferência Ecumênica de Uppsala, 1968).

Por isso, rezemos para que o Sínodo, cuja abertura é amanhã, saiba reconduzir a uma figura de homem na sua plenitude a experiência conjugal e familiar; reconheça, valorize e proponha tudo o que nela há de belo, bom e santo; abrace as situações de vulnerabilidade, que a põem à prova: a pobreza, a guerra, a doença, o luto, as relações feridas e desfeitas de que brotam contrariedades, ressentimentos e rupturas; lembre a estas famílias, como a todas as famílias, que o Evangelho permanece uma «boa notícia» donde recomeçar. Do tesouro da tradição viva, os Padres saibam tirar palavras de consolação e diretrizes de esperança para famílias chamadas a construir, neste tempo, o futuro da comunidade eclesial e da cidade do homem.

* * *

Com efeito, cada família é sempre uma luz, ainda que ténue, na escuridão do mundo.

A própria história de Jesus no meio dos homens toma forma no seio duma família e, nela, permanecerá durante 30 anos. A sua é uma família como muitas outras, localizada numa remota aldeia da periferia do Império.

Talvez como poucos mais, Carlos de Foucauld intuiu o alcance da espiritualidade que emana de Nazaré. Este grande explorador apressou-se a deixar a carreira militar, fascinado pelo mistério da Sagrada Família, da relação diária de Jesus com os pais e os vizinhos, do trabalho silencioso, da oração humilde. Olhando para a Família de Nazaré, o irmão Carlos sentiu a esterilidade da avidez de riqueza e poder; com o apostolado da bondade, fez-se tudo para todos; atraído pela vida eremita, compreendeu que não se cresce no amor de Deus, evitando a serventia das relações humanas. Porque é amando os outros que se aprende a amar a Deus; é inclinando-se sobre o próximo que nos elevamos para Deus. Através da aproximação fraterna e solidária aos mais pobres e abandonados, ele compreendeu que, afinal, são precisamente eles que nos evangelizam a nós, ajudando-nos a crescer em humanidade.

Para compreender hoje a família, entremos também nós – como Carlos de Foucauld – no mistério da Família de Nazaré, na sua vida escondida, rotineira e comum, como é a vida da maioria das nossas famílias, com as suas penas e as suas alegrias simples; vida tecida de serena paciência nas contrariedades, de respeito pela condição de cada um, de humildade que liberta e floresce no serviço; vida de fraternidade, que brota de sentir-se parte de um único corpo.

A família é lugar de santidade evangélica, realizada nas condições mais comuns. Nela se respira a memória das gerações e mergulham raízes que permitem chegar longe. É lugar do discernimento, onde nos educam a reconhecer o desígnio de Deus acerca da nossa própria vida e a abraçá-lo com confiança. É lugar de gratuidade, de presença discreta, fraterna e solidária, que ensina a sair de si mesmo para acolher o outro, para perdoar e ser perdoados.

* * *

Recomecemos de Nazaré para termos um Sínodo que, mais do que falar de família, saiba ir à sua escola, com a disponibilidade de reconhecer sempre a sua dignidade, consistência e valor, apesar das muitas fadigas e contradições que a possam marcar.

Na «Galileia dos gentios» do nosso tempo, voltaremos a encontrar a espessura duma Igreja que é mãe, capaz de gerar para a vida e cuidadosa em dar continuamente a vida, em acompanhar com dedicação, ternura e força moral. Porque, se não soubermos unir a compaixão à justiça, acabaremos por ser inutilmente severos e profundamente injustos.

Uma Igreja, que é família, sabe apresentar-se com a proximidade e o amor dum pai, que vive a responsabilidade do guardião, que protege sem substituir, que corrige sem humilhar, que educa com o exemplo e a paciência… e, por vezes, simplesmente com o silêncio duma expectativa orante e aberta.

Sobretudo uma Igreja de filhos que se reconhecem irmãos nunca chega a considerar alguém apenas como um fardo, um problema, um custo, uma preocupação ou um risco: o outro é essencialmente um dom, que continua a ser tal mesmo quando percorre estradas diferentes.

A Igreja é casa aberta, alheada de grandezas exteriores, acolhedora no estilo sóbrio dos seus membros e, por isso mesmo, acessível à esperança de paz que existe dentro de cada homem, incluindo aqueles que – provados pela vida – têm o coração ferido e atribulado.

Uma Igreja assim pode verdadeiramente iluminar a noite do homem, apontar-lhe credivelmente a meta e compartilhar os seus passos, precisamente porque ela foi a primeira que viveu a experiência de ser incessantemente regenerada no coração misericordioso do Pai.

Caminhada da família reúne 11 mil em Bauru

Caminhada da família reúne 11 mil em Bauru

11846695_10203520104242099_6009393463262553605_n

Fonte: Zenit e site da CNPF

Com uma arrecadação de duas toneladas de feijão e arroz através da troca das camisetas que foram doadas, foi realizada pela Pastoral Familiar da Diocese de Bauru a caminhada da Família 2015, no domingo, 16/ago.

11 mil pessoas saíram em marcha pela avenida Getúlio Vargas, na defesa dos valores cristão da família. Participaram com o povo o bispo Dom Caetano Ferrari, o assessor da Pastoral Familiar, Padre Marcos Pavan, e também mais 15 padres, 10 seminaristas e 2 diáconos permanentes.

No total, a Caminhada da Família percorreu 2 km com a duração de 1h. “A animação ficou a cargo da Comunidade Famílias Novas, louvando e orando a Deus pelas graças recebidas”, afirma a Pastoral Familiar.

Todos os alimentos arrecadados serão distribuídos para as entidades que são assistidas pela diocese e paroquias. A responsável pela distribuição será a Pastoral Social da diocese.

No encerramento houve missa no Santuário Nossa Senhora de Fátima, presidida pelo bispo dom Caetano Ferrari e concelebrada pelos padres das 26 paróquias do município, com bênção especial para as famílias.

 

Equipe da coordenação de Bauru:

Equipe Pastoral Familiar – Diocese de Bauru

“Por Cristo, pela Igreja e pelas Famílias”

Padre Marcos Pavan – Diretor Espiritual
Vella e Sandra – Fone: 3239-8410/ 99771-6253
Lessa e Mª Helena – Fone: 3224-1221/ 99787-7991
Ademir e Ana – Fone: 3238-6624/ 99779-5049
Albino e Elza – Fone: 3234-5973/ 99756-1329
Beto e Rô – Fone: 3879-5548/ 99791-2242
Luiz e Cristina – Fone: 3016-3522 / 99870-7291
Carlos e Lúcia – Fone: 3243-0312 / 99809-1848
Renato e Renata – Fone: 3206-1644 / 99866-8079

 

Dom João Bosco Falará sobre a SNF

Dom João Bosco Falará sobre a SNF

dom joão boscoIniciamos a Semana Nacional da Família!

E na abertucapa frentera desse forte tempo de evangelização, no dia 09/08/2015, às 13h, na Rede Vida, e depois às 17h48, na Canção Nova, no programa “Igreja no Brasil”, dom João Bosco Barbosa, bispo da Diocese de Osasco e presidente daComissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família e da Comissão Nacional da Pastoral Familiar, falará sobre o subsídio e sobre os trabalhos da semana. Assista!